Governo do Estado do Rio de Janeiro
SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA
Ivan Lins se apresenta em show no Teatro Rival BR dia 20 de janeiro!
CONFIRA NOSSA PROGRAMAÇÃO
1
NOTÍCIAS

11.10.2018 | 18:00
Operação Verão reforça o policiamento na orla do Rio a part...
Do Flamengo até o Recreio, a orla carioca ganha reforço de policiamento a...
11.10.2018 | 17:00
Justiça de Minas Gerais determina novo exame psiquiátrico em agressor de ...
O juiz Bruno Savino, da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), determinou um novo...
11.10.2018 | 16:00
Mais de dez partidos anunciam que vão ficar neutros no segundo turno das elei&cc...
Com Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleiç&otild...
PROMOÇÃO
ENQUETE
De que maneira você acompanha a nossa programação?
 
 
 
NOTÍCIAS

filho do presidente da alerj é preso em uberlândia durante operação da polícia federal

14/11/2017 - 13:00

A Polícia Federal prendeu em Uberlândia, na manhã desta terça-feira, Felipe Picciani, filho do presidente da assembleia legislativa do rio, Jorge Picciani. A ação foi feita durante operação cadeia velha, um desdobramento da lava jato, que acontece no Rio de Janeiro e Triângulo Mineiro. Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Uberaba. Segundo confirmou o delegado-chefe da PF em Uberlândia, Carlos Henrique Cotta D'ângelo, Felipe foi preso perto do aeroporto da cidade. Ele havia levado o pai, Jorge Picciani, para embarcar para o Rio de Janeiro. Assim que desembarcou no RJ, Jorge Picciani foi conduzido para depor na sede da PF. Já o filho segue preso em Uberlândia e virá para o Rio de Janeiro a tarde, em um voo comercial. O advogado Cláudio Fontoura está na sede da PF acompanhando Felipe e informou que ainda não foram esclarecidas as razões do mandado de prisão. Foram presos na operação desta terça o empresário jacob barata filho e o ex-presidente da federação das empresas de transportes de passageiros do estado do rio de janeiro lélis teixeira. O presidente da alerj é suspeito de receber propina da fetranspor, em um esquema de corrupção no setor que envolveria políticos. Segundo a pf, as empresas de ônibus colocavam dinheiro em uma "caixinha", destinada ao pagamento de propina a políticos para aprovar leis que beneficiariam o setor. A informação chegou ao ministério público federal com a delação premiada do doleiro álvaro josé novis.

Tecnologia PRODERJ - Todos os direitos reservados